11Bets+

Papelix

Pesquisar no blog

Você Repórter!

Você Repórter!

domingo, 30 de outubro de 2016

Igreja soterrada por duna durante quase meio século vira ponto turístico

Era uma vez um pequeno vilarejo do interior do Ceará. Em 1897, a força do vento levou a areia de uma duna móvel para dentro da igreja de Nossa Senhora da Conceição, em Almofala, distrito de Itarema – a 248 quilômetros de Fortaleza. Em 1898, o templo estava totalmente soterrado, e assim ficou por 45 anos. Começava a fama de um dos templos religiosos com história mais curiosa do Brasil.

O vento entra novamente em ação, em 1941, e aos poucos retira a areia da igreja. Em 1943, o templo estava à vista novamente. A história é contada pela professora Luisa Sueli Andrade Ferreira, de 55 anos, e foi passada para ela pela avó, que relatou a reação dos moradores da região ao verem o hoje ícone do turismo da cidade desaparecer.

“Os populares achavam que era o apocalipse. O catolicismo sempre foi muito forte em Almofala, as pessoas não tinham conhecimento dos fenômenos naturais. A minha avó contou que todos ficaram desesperados porque casas também foram soterradas. Quando a areia saiu, eles acreditavam que era um milagre“, relata. 

Mais um fato inusitado lembrado por Sueli, que se dedica há 11 anos à igreja, foi o conflito entre os almofalenses e a comissão liderada pelo padre Antônio Thomas. “As imagens da igreja foram levadas por eles, e os índios Tremembés resistiram com força. Teve até sangue, mas a tentativa de impedir que os santos fossem levados não deu certo. Padre Antônio Thomas conseguiu levá-los”. 

Apenas quatro imagens voltaram para o altar do santuário: a padroeira Nossa Senhora da Conceição, São Miguel, São Benedito e São José de Botas. Restauração A igreja de Nossa Senhora da Conceição começou a ser erguida em 1702, ainda como uma pequena capela de taipa. “Em 1708, a construção de concreto começou e foi concluída quatro anos depois. Foi assim que nasceu a nossa igreja, há 301 anos”, relembra Sueli.

Tombada como patrimônio histórico, na década de 1980, a igreja passou por uma restauração após o soterramento e recebe cerca de 300 turistas por ano. Tudo é catalogado pela professora em um caderno. “Eu sou muito organizada e tive a ideia de deixar um livro na porta da igreja para os visitantes assinarem”.

Os filhos de Sueli a chamam de beata por tamanha dedicação, mas ela não se incomoda com a brincadeira. “Eu tenho tremenda adoração por essa igreja. Eu sei que não devemos ter, mas ela é nossa história e temos que preservá-la ao máximo. Os almofalenses têm que ter respeito porque ela é um marco histórico”, derrete-se.

O jornalista Fred Miranda, incentivado pelo cunhado, um estudioso de monumentos históricos, foi ver de perto a famosa igreja soterrada, e ficou impressionado com o patrimônio. “Realmente a igreja conserva a sua originalidade e a estrutura colonial. A cidade é bastante agradável, a região é belíssima, os preços são agradáveis e as praias são lindas”.

O distrito, de 14 mil habitantes, luta pela emancipação e por algumas melhorias na igreja. “A gente já conquistou autonomia, mas queria mais segurança no entorno da igreja e fazer com que ela e a praça fossem um único espaço. Acontecem muitos acidentes nessa área”, aponta.

Tribuna do Ceará

0 comentários:

Postar um comentário