11Bets+

Volta às Aulas Papelix

Papelix

Pesquisar no blog

Você Repórter!

Você Repórter!

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

Lava Jato: STF rejeita denúncia contra Aníbal Gomes e Renan Calheiros

A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou, nesta terça-feira, 10, denúncia feita pelo ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot contra o senador Renan Calheiros (PMDB-AL), o deputado federal Aníbal Gomes (PMDB-CE) e Paulo Twiaschor, executivo da Serveng. O caso integra a Operação Lava-Jato, que apura irregularidades na Petrobras. O relator, ministro Edson Fachin, entendeu que não houve provas suficientes para dar prosseguimento à ação. Ele foi seguido pelos outros ministros da Turma: Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes.

Constato a insuficiência de elementos indiciários, resumiu Fachin. Denúncias baseadas apenas em delações premiadas não devem ser acolhidas acrescentou Lewandowski.

Em dezembro do ano passado, Janot denunciou Renan por corrupção e lavagem de dinheiro. O senador é acusado de usar intermediários para pedir e receber R$ 800 mil da empreiteira Serveng, que tem contratos com a Petrobras. Na época, Renan negou irregularidades. Janot pediu que Calheiros e o deputado Aníbal Gomes (PMDB-CE), sejam afastados de seus cargos. Solicitou ainda a condenação de Paulo Twiaschor, executivo da Serveng, pelos crimes de corrupção ativa e lavagem de dinheiro. 

Em seu voto, porém, Fachin afirmou: "Com efeito, conforme ressalta a defesa do denunciado José Renan Vasconcelos Calheiros, nas mesmas datas em que ocorreram as transferências e depósitos bancários a partir do Diretório Nacional do PMDB, outras doações foram realizadas por diversas sociedades empresariais, que se somaram ao saldo ali já existente, cujas quantias foram direcionadas a diversos outros candidatos e comitês."

Na denúncia, Janot disse que houve o pagamento de vantagem indevida e lavagem de dinheiro mediante doações oficiais da Serveng a Renan, por intermédio de Aníbal Gomes, por causa da influência que eles detinham em razão do apoio político a Paulo Roberto Costa, que agiu em favor da empresa. Embora inicialmente indicado para o cargo de diretor de Abastecimento da Petrobras pelo PP, Paulo Roberto Costa obteve apoio da bancada do PMDB no Senado e, segundo a PGR, “a partir de então, o PMDB passou a receber uma parcela das propinas relativas aos contratos da Petrobras vinculados à Diretoria de Abastecimento”. 

Fachin, por outro lado, destacou que o próprio Paulo Roberto Costa mostrou desconhecer "eventual vantagem direcionada ao denunciado José Renan Vasconcelos Calheiros por ocasião do episódio narrado na denúncia, a qual é descrita a partir da afirmação de que o Deputado Federal Aníbal Ferreira Gomes atuava em nome do Senador, fato que também não é sustentado por qualquer outro elemento de corroboração".

0 comentários:

Postar um comentário