11Bets+

Papelix

Pesquisar no blog

quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

Matadouro Público de Acaraú continua interditado

Imagem: Portão do matadouro público lacrado pela justiça
O Ministério Público de Acaraú, pleiteou em 2014 que o município de Acaraú adotasse medidas administrativas de conservação, e de cuidados com o abate animal instaurando um procedimento administrativo. Em 2016 o Ministério Público solicitou do município a realização de um TAC (Termo de Ajuste de Conduta), no entanto na época não houve sinalização positiva por parte da administração com argumento de que não teria recursos financeiros. 

A partir dai o Ministério Público entrou com Ação Civil Pública, uma vez que já havia tentado por diversas outras formas para não realizar a interdição, já que a mesma não era uma medida querida pelo Ministério Público, no entanto diante da recusa da administração de realizar os ajustes que o Ministério Público pleiteava, foi pedido pelo órgão ministerial a interdição do matadouro, tendo neste ano de 2017 a justiça concedido o pedido do Ministério Público de interdição do matadouro.

O Ministério Público informou que matadouro não tinha condições sanitárias de atuar, o atendimento veterinário era precário, o abate animal não era realizado conforme recomenda o Concelho Regional de Medicina Veterinária, ainda se abatia com martelada, e não através de pistola como recomendado, além de outras irregularidades apontadas pela Agência de Defesa Agropecuária do Estado Ceará - Adagri e pelo Concelho Regional de Medicina Veterinária.

Somente a partir da interdição concedida pela justiça, há mais ou menos 3 meses, o município se atentou a cuidar do matadouro e procurou o Ministério Público para realizar um TAC para realizar as devidas providencias pare recuperar o matadouro até então praticamente abandonado.

Atualmente as carnes consumidas pelos consumidores de Acaraú, que eram abatidas no matadouro do município, estão sendo abatidas nas cidades de Cruz e Itarema, o que acaba refletindo também no preço que chega ao consumidor final.

Blog O Acaraú

0 comentários:

Postar um comentário